Ana Carolina Martins da Silva. Educadora. Ambientalista. Poetisa. Ativista Social. Bonequeira.

 

A cidade mercadoria ou a cidade de direitos?

Que viva sempre!

Momentos acadêmicos importantes e de muita honra me acompanham na Uergs. No dia 05/07/2017, participei de dois deles, as bancas de avaliação dos trabalhos de conclusão de curso de dois acadêmicos: Laís Gomes Machado  – Curso de Administração: Gestão Pública: “Políticas públicas em educação inclusiva no ensino superior: uma visão dos docentes da Uergs”; e Peterson Bittencourt Soza – Curso de Administração de Sistemas e Serviços de Saúde: “Implicações do Marketing para o gerenciamento de serviços de saúde”.

Bancas de TCCs Uergs ADM 2017

Parabenizo os acadêmicos e agradeço o convite de suas orientadoras: de Laís, Profa. Dra. Magali de Moraes Menti. Nesta banca, estive em companhia do prof. Dr. Celmar Correa de Oliveira; de Peterson, profa. Me. Caroline da Costa Duschitz. Nesta, minha companhia foi do prof. Dr. Mauro Mastella.

É a Uergs, seguindo seus rumos, 16 anos depois de sua fundação!

CONFIRA: Em comemoração ao aniversário de sua fundação, a Uergs será homenageada na Assembleia Legislativa, no dia 13 de julho, durante o período do Grande Expediente A sessão ocorrerá às 14h, no Plenário 20 de setembro.

Dia 03/7: meu aniversário de 53 anos. Como explicar… em mim, feliz. No Brasil, tensa. No RS, hipertensa. Dentro, vai se tocando. Fora, “estar no meio do ciclone”!

Só tenho a agradecer: muito obrigada, Deus!

Lista de 53 motivos para ser feliz:

  1. Meus pais
  2. Minhas filhas
  3. Meus irmãos e minha irmã
  4. A família toda advinda deles (incluindo os bichos)
  5. Meu amigo Sylvio Nogueira Jr.
  6. Meus ex-amores
  7. Meu amor atual
  8. Minha Fé
  9. A luta
  10. A esperança
  11. A água
  12. A terra
  13. O ar
  14. O fogo
  15. O Toquinho de Giz
  16. A Bibi
  17. O Bartô
  18. A paçoquinha
  19. Meus alunos
  20. Meus amigos
  21. A arte
  22. A lua
  23. Meu corpo
  24. Ter do que sentir saudade
  25. Ter o que oferecer
  26. Amar
  27. Ser amada
  28. O circo
  29. Os livros
  30. O teatro
  31. Os corajosos
  32. Os homens, os travestis, e outros…
  33. As mulheres
  34. A psiquiatria
  35. A gramática Funcional
  36. A animação cultural
  37. A AGAPAN
  38. O GESP
  39. A ASPAN
  40. As 38 entidades ambientalistas da APEDEMA/RS
  41. A Igreja Metodista
  42. A cama quente em um dia frio
  43. O doce de leite da minha mãe
  44. O feijão da minha mãe
  45. A minha pizza de sardinha
  46. A Uergs
  47. A UCS
  48. A UniRitter
  49. O Teatro São Pedro
  50. Os Movimentos Sociais da Via Campesina
  51. A justiça Social
  52. O Centro Histórico de Porto Alegre
  53. O verbo – nele – tudo se multiplica, se simplifica, se implica, se replica, se inspirifica. (Este último item vai em homenagem a Arnaldo Antunes – que também é um bom motivo para se sorrir.

 

 

 

A Fundação Perseu Abramo (FPA) e a Editora Expressão Popular realizam o debate de lançamento do livro “Significado do Protesto Negro”, de Florestan Fernandes. A atividade acontece no dia 26 de junho, às 18h30, na Livraria Expressão Popular – Rua Abolição, 201, Bela Vista, São Paulo (capital).

Participam do debate Flávio Jorge Rodrigues da Silva, membro do Conselho Curador da FPA e da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), e co-fundador da Soweto – Organização Negra; o jornalista Florestan Fernandes Jr.; Maria José Menezes, do Núcleo de Consciência Negra da USP; e Weber Lopes, doutorando na Universidade Federal do ABC (UFABC).

Florestan Fernandes vive!