Ana Carolina Martins da Silva. Educadora. Ambientalista. Poetisa. Ativista Social. Bonequeira.

Hoje é dia da Terra para os comuns, para nós, que sempre trabalhamos em defesa da Terra, é um dia de visibilidade do tema, mas dia da Terra – lugar comum – é todos os dias. De qualquer forma, para não perder a vibe, vou homenagear um amigo muito querido. Um guardador de Sementes: Amilton Munari – de Maquiné. Posto aqui, alguns textos que encontrei sobre ele. Estou sem tempo para muitas escritas, mas, meu coração está cheio de memórias de seu amor pela natureza, suas caminhadas pelo mato e do geladinho do Rio Maquiné. Para salvar a Terra, só tendo amor no coração. Terra, Amor, Coração. É isso.

Amilton Munari Sementes

Amilton Munari, um guardião das sementes nativas

Fonte: UNISINOS

Entrevista com Amilton Munari, agricultor do Vale do Maquiné, que desenvolve há anos um trabalho de preservação de sementes nativas do Rio Grande do Sul e também da palmeira juçara. Amilton é um dos 650 expositores presentes à VIII Feira da Agricultura Familiar e Reforma Agrária, que ocorre de 21 a 25 de novembro, na Marina da Glória, no Rio de Janeiro.A entrevista é publicada no blog RS Urgente do jornalista Marco Aurélio Weissheimer, 23-11-2012.Eis a entrevista.

Como e quando começou esse trabalho de preservação de sementes crioulas?
Começou com a minha família, que sempre plantou para o próprio sustento. Eu fui criado no meio da roça, no litoral norte do Rio Grande do Sul, no Vale do Maquiné. Minha família plantava um pouco de tudo para a subsistência. Eu me formei como técnico agropecuário e comecei a plantar com tecnologia, usando venenos e adubos químicos. Logo vi que estava num circulo vicioso. Tudo o que eu ganhava eu consumia, a terra estava sendo destruída e eu estava comprometendo minha saúde. Resolvi buscar outras iniciativas, como a Colméia, Sítio Pé-na-terra, Centro Ecológico(entidades e espaços ambientalistas no Rio Grande do Sul). Fui ver o que eles estavam fazendo e vi que eles estavam buscando melhorar a terra e preservar sementes.
Comecei então a resgatar sementes, no meio de comunidades italianas, polonesas, quilombolas e indígenas, e a trocar sementes com eles. Muitas dessas sementes estavam em fundo de quintas nas cidades. Fui resgatando essas sementes e juntando no que chamei de banco de sementes. Também fui construindo uma casa de sementes para mostrar ao pessoal como é que se armazenava, secava e plantava sementes. Aí percebi que estava realizando um serviço muito gratificante. As pessoas reconheciam e davam muito valor. Percebi também que as sementes eram um patrimônio da humanidade e garantiam nossa sustentabilidade. Sempre procurei obter as sementes através de uma troca solidária, por contribuição espontânea ou por algum tipo de produção. Sempre consegui boas trocas assim. Além desse trabalho, participo de eventos e vou em comunidades ajudar a implantar bancos de sementes.
Qual é o tamanho desse banco de sementes hoje?
Temos dois tipos básicos de sementes: as sementes milenares, que já existiam antes da chegada dos colonizadores, e as sementes centenárias, que foram sendo adaptadas pelas sucessivas levas de colonização. Hoje, eu lido com mais de 300 tipos de sementes.

Você poderia dar alguns exemplos de sementes milenares?
A maioria delas foi cultivada pelos indígenas, especialmente os milhos: milho crioulo, girassol, tomates, batatas, amendoins e abóboras. Essas são as principais. Nós achamos muitas sementes que estavam sob risco de extinção, como o milho cateto, que é um milho pequeno. Eu fui trocando esse milho com outros produtores e fui fortalecendo ele. Cada vez que a gente troca a terra e o clima, a semente dá um impulso, ela se transforma e se fortalece. Por isso sempre procurei trocar para manter uma diversidade.
E o trabalho com a palmeira juçara, por que você decidiu começá-lo?
Nossa cultura aqui do sul é de consumir muito palmito. Esse alto consumo começou a provocar um sério problema de derrubada e de roubo das palmeiras deixando nossa floresta muito pobre. No meu convívio na Amazônia, aprendi a lidar com o açaí e vi que a situação da juçara era muito idêntica. Há vinte anos, ensino as pessoas a manejar a juçara com o mesmo método do manejo do açaí: amornar, tirar a polpa, misturar com várias folhas e várias frutas em receitas quentes, frias, doces e salgadas. Vi que era muito bom e um alimento importante. Assim, busquei o reconhecimento dessa polpa. As suas sementes hoje sempre retornam às áreas de bananais, de agroflorestas e de viveiros para que ela não entre em risco de extinção.

Amilton Munari Maquiné

 

Noticias: Batata cultivada pelos Incas é produzida no Estado e vendida na 36ª Expointer

Publicação 30/08/2013 às 19:07
O agricultor Amilton Munari é proprietário de dois hectares de terra no município de Maquiné, no litoral Norte do Rio Grande do Sul. O produtor aproveita feiras, como a Expointer, para fazer troca de sementes e se especializa em sementes raras.

Ele é conhecido, principalmente, por comercializar a batata Yacon, orginalmente produzida pelos Incas, povos pré-colombianos do Peru. Segundo o agricultor, ele encontrou a Yacon, que é consumida crua, há cerca de 10 anos nas trocas de sementes.

Para Munari, a popularização da batata se deve ao fator do alimento ser benéfico à saúde de diabéticos. “A batata realmente freia o açúcar. Isso todas as pessoas que utilizam me disse. E eu sou diabético e também testemunha disso”, revelou ao portal da Expointer.

O Sr. Munari, que é agricultor há mais de 20 anos em Maquiné, também não troca sementes apenas para obter as sementes raras. “Faz muito bem para os solos que não fiquem com as mesmas sementes. Que haja uma variedade. Isso é bom para os agricultores. É muito interessante o processo de adaptação, disse o produtor rural. Outro carro-chefe dos rendimentos dele são os açaís.

O box de Munari na 36ª Expointer tem a marca Associação Içara e fica à esquerda da entrada do Pavilhão da Agricultura Familiar.

Texto: Luís Vieira
Edição: Redação Expointer

Memórias

Amilton lindo! (2)

 

 Amilton Munari

amiltondaf-b-2

Amilton e o INGá

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: