Ana Carolina Martins da Silva. Educadora. Ambientalista. Poetisa. Bonequeira.

Arquivo para a categoria ‘Ecologia’

Gestão Pública das Águas – Debate permanente – com prof. Celmar de Oliveira (Uergs)

Fundamental para todos os habitantes do planetinha azul, o conhecimento sobre o uso comum da água não chega a ir além de quem quer protegê-la, ou de quem quer usá-la economicamente. Mais do que necessário está socializar epopularizar os conhecimentos técnicos de Direito e de Uso Comum da Água, como está posto nesse Programa de Entrevistas da TVE RS (Publicado em 25 de mar de 2019) – Frente a Frente – cujo entrevistado é o professor da Uergs/POA, Prof. Dr. Celmar de Oliveira, líder do Grupo de Pesquisa Políticas, Gestão Pública e Desenvolvimento. Temas como: licenciamento ambiental, comitês, mineração, resíduos sólidos, consumo exagerado de carne, poluição, Aquífero Guarani – todos linkados ao uso da água e sua relação com a legislação.

Vale a pena conferir.

Esse tipo de estudo se torna cada vez mais importante, pois estamos vivenciando um período muito intenso de alteração nas legislações protetivas da natureza e – por  extensão – à vida como um todo. O Instituto Curicaca – (1065, Rua Dona Eugênia – Porto Alegre, Rio Grande do Sul) – ONG gaúcha, ligada à APEDEMA/RS, sem fins lucrativos, que desde 1997 desenvolve ações integrando as áreas ambiental, social, educacional, cultural e científica, fez uma publicação (dia 12/04/2019) que demonstra a gravidade desse momento:

Ontem, dia 11 de abril, a Presidência da República extinguiu a partir de 28 de junho todos os colegiados da administração pública federal. Com o Decreto Nº 9.959 (leia na íntegra https://bit.ly/2IfeomK) abrangeu os colegiados criados por decreto, incluídos aqueles mencionados em leis nas quais não conste a indicação de suas competências ou dos membros que o compõem, por ato normativo inferior e por ato de outro colegiado.

O ato buscou atingir tudo, tudo mesmo, virando de ponta cabeça a gestão colegiada em nível federal. Excepcionalizou para as diretorias colegiadas de autarquias e fundações, as comissões de sindicância e de processo disciplinar e as comissões de licitação, bem como aqueles previstos no regimento interno ou no estatuto de instituição federal de ensino e os criados ou alterados por ato publicado a partir de 1º de janeiro de 2019.

Entenda o tamanho do rolo e a dimensão do abuso autoritário com exemplos da área de meio ambiente. Em julho desse ano deixam de existir os Comitês de Bacia Hidrográfica Federais, os Conselhos de Unidades de Conservação Federais, os Grupos Técnicos Assessores dos Planos de Ação Nacional, a Comissão Brasileira do Programa o Homem e a Biosfera, dentre muitos, e o Conselho Nacional de Meio Ambiente de forma indireta, já que sua composição deixou de estar na Lei e passou a ser por decreto. (Instituto Curicaca via facebook).

Esse tipo de ação reforça a responsabilidade desse blog com a Educação Ambiental e com o esclarecimento da população. (Ana Carolina M.Silva).

 

A pulverização ilegal de veneno e a mortandade das abelhas no RS – um vôo para milhares de mortes

Saiba mais sobre esse vídeo no canal do Coletivo Catarse:

Com a palavra os autores: APISMA,  APISBio, Coletivo Catarse

Em outubro de 2018, houve uma pulverização ilegal de veneno em lavouras de soja de várias localidades do Rio Grande do Sul. Em Mata, região central do estado, uma hecatombe se desenhou – milhões de abelhas foram exterminadas, o impacto ambiental e o prejuízo aos apicultores foi imenso. Esta vídeo-reportagem traz testemunhos e fatos sobre o acontecimento, deixando bem claro o que ocorreu, por que ocorreu e onde. Não foi um fato isolado – e isso traz muita perplexidade a todos os envolvidos.

Ficha técnica: Reportagem Marcelo Cougo, Billy Valdez e Gustavo Türck; Edição e Finalização Gustavo Türck e Têmis Nicolaidis; Trilha Sonora Bee5 (Marcelo Cougo e Paulinho Bettanzos); Arte Gráfica Billy Valdez; Coprodução APISMA APISBio Coletivo Catarse

Mineração de carvão – Projeto Guaíba/ Copelmi. Audiência Publica, quinta, 18 h, Charqueadas – Atualizações

ATUALIZANDO O POST 3:

Assentados protestam em audiência pública sobre mina de carvão:  Sob forte aparato policial, encontro foi marcado por relato da Copelmi, que nega impacto ambiental e social, e manifestações de moradores. Manchete do Jornal Extra Classe – do SINPRO/RS em matéria de Gilson Camargo. Março/2019.

Divulgação Jornal ExtraClasse Mineração Guaíba 2019

Faltavam três minutos para o início da audiência pública sobre o licenciamento ambiental prévio de lavra de carvão da empresa Copelmi, em Eldorado do Sul, agendada por edital para às 18h da última quinta-feira, em Charqueadas, quando o presidente do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), desembargador federal Thompson Flores, suspendeu uma liminar da 9ª Vara Federal de Porto Alegre que horas antes havia cancelado a reunião por ter sido marcada antes da conclusão da análise do EIA/RIMA pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luís Roessler (Fepam).

O recurso à segunda instância foi uma iniciativa da Fepam, que manteve a mobilização para a realização da audiência. O encontro ocorreu sob forte aparato policial e foi marcado por protestos de ambientalistas e agricultores do assentamento Apolônio Apolônio de Carvalho, que poderá desaparecer com a instalação da mina. O assentamento é a segunda maior unidade produtora de arroz orgânico do estado depois de Viamão, e envolve 72 famílias de agricultores, em 700 hectares de cultivo de arroz e também na produção de hortaliças. Um projeto de piscicultura que está em implantação com financiamento do BNDES também fica inviabilizado com a planta de extração de carvão.  Entre outros impactos, dois arroios terão que ser desviados de acordo com o do Estudo de Impacto Ambiental e o Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) em debate na audiência.  Jornal Extra Classe – do SINPRO/RS em matéria de Gilson Camargo. Março/2019. Clique aqui para saber mais.

Foto: Fepam/ Divulgação – por Jornal ExtraClasse.

ATUALIZANDO O POST 2:

Mineração: presidente do TRF4 suspende liminar obtida por entidades ambientalistas. MANCHETE DO SUL21Clique aqui para ler a matéria.

Leia também no Extra Classe/SINPRO-RS:

Mina de carvão em Eldorado do Sul ameaça Delta do Jacuí – Relatório de Impacto Ambiental é contestado por ambientalistas e representantes dos atingidos. Projeto coloca em risco o Baixo Jacuí, Guaíba e Lagoa dos Patos. Clique aqui – Matéria completa.

ATUALIZANDO O POST 1:

A Audiência Pública foi suspensa por liminar pelos motivos que seguem: Liminar Suspensão Audiência Pública

A suspensão foi demandada por ONGs ligadas à APEDEMA/RS. Clique para saber mais: 14_MAND1

AGAPAN,INGÁ e UPV emitiram nota pública conjunta. Clique aqui para conferir a nota.

EIA-RIMA disponível:

http://copelmi.com.br/eia-rima-mina-guaiba/

Repasso ofício do CERBMA-RS encaminhado pela Biól.MSc.Lisiane Becker  Coordenadora-presidente Instituto MIRA-SERRA (ONG); P.A.R.B. da Mata Atlântica – MaB/ UNESCO; membro CONSEMA-RS, CERBMA-RS, CN-RBMA,CD-FNMA, CC RMA,CNRPPN, CONAMA e CCN/Ibama,  sobre o tema Mina/Guaíba RS.

Clique no título para ler o ofício: Oficio 038-16 Manifestacao mina Gauiba ao MPE

Fragmento – Ofício sobre danos à natureza Mina Guaíba RS

Clique aqui para saber mais.

Ricardo Cardim e as Árvores Gigantes do Brasil

Países como Alemanha, EUA e Canadá, com uma biodiversidade ínfima comparado ao Brasil, tem livros publicados com algumas das maiores árvores do seus territórios – as mais antigas, interessantes, entre outros atributos. Dono de Hot Spots mundiais como o Cerrado e a Mata Atlântica, o Brasil é um país que abrange uma coleção fantástica de árvores nativas seculares e de proporções imensas. Como então não temos nenhum livro apresentando essas gigantes?

Pensando nisso, publicamos o livro “Remanescentes da Mata Atlântica: As Grandes Árvores da Floresta Original e seus Vestígios”, que conta uma história visual da Mata Atlântica e apresenta cerca de 90 exemplares incríveis observados em 12.500 km de expedições pelo bioma. São preciosidades como jequitibás, perobas e figueiras sobreviventes de cinco séculos de devastação predatória. Clique aqui para saber mais!!!!

Dia Mundial dos Corais da Amazônia! Diz o Greenpeace.

Histórias do Greenpeace:

Este 28 de janeiro é celebrado como o Dia Mundial dos Corais da Amazônia, data em que o mundo conheceu as primeiras imagens deste ecossistema recifal único

Há dois anos, usamos um mini submarino em nossa primeira expedição à bacia da foz do Rio Amazonas, a mais de 100 km da costa do Amapá e mais de 100 metros de profundidade, para registrar uma grande diversidade de vidas, cores e texturas que encantou os cientistas e o mundo. A humanidade se deparava com um novo cantinho do planeta até então desconhecido.

Por dois anos, promovemos uma intensa mobilização em defesa do recife dos Corais da Amazônia, no qual mais de 2 milhões de pessoas ao redor do mundo assinaram uma petição se declarando contra a exploração de petróleo na região, que ameaçava esse tesouro natural que só existe ali. A vitória veio no final do ano passado, com a rejeição definitiva pelo Ibama da licença ambiental que autorizaria a exploração para a petrolífera Total.

Este é um importante alerta e exemplo sobre a importância de se respeitar o processo de licenciamento ambiental. Os técnicos do Ibama avaliaram o Estudo de Impacto Ambiental da empresa por cinco vezes e constataram que ela não tinha um plano de emergência adequado para lidar com um derramamento de petróleo. Se isso acontecesse, poderíamos ter outro grande impacto ambiental como vimos agora com o rompimento da barragem em Brumadinho (MG).

É bom lembrar, além da riqueza dos próprios Corais da Amazônia, na costa do Amapá  está uma das maiores faixas de manguezais do mundo, sendo um berçário e área de alimentação sensível para diversas espécies de peixes, crustáceos, aves e mamíferos. Além disso, diversas comunidades de pescadores dependem dos mares limpos e saudáveis para se manter. Uma operação petrolífera teria fortes perturbações aos animais e, com as fortes correntezas que são comuns nestas águas, um vazamento de óleo causado por qualquer motivo poderia se espalhar rapidamente, chegando mesmo até o Caribe. Levaria anos para que tudo fosse limpo. Clique aqui para saber mais!

 

 

64ª Feira do Livro de Porto Alegre – Lá vai o trem com o menino…

Abertura – memória boa com as amigas da SEDUC – Maria Marizetti, Marilis Martins Aguiar, Iara Almeida e Lígia.

A presença mais-do-que-sempre-presente de Ayres Cerutti.

Prefeito de Porto Alegre Nelson Marchezan Júnior abre a Feira. Foto: Maria Marizetti

Mais uma Feira do Livro de Porto Alegre, para Porto Alegre; para mim – outro significado… nostalgia…despedida. Não consegui participar de toda, mas os passeios, as visitas ao site e a participação em algumas atividades me colocam sempre na mesma condição de fã! Parabéns, Sônia Zanchetta e – em seu nome – parabéns a todos e a todas da 64 Feira do Livro de POA.

PROGRAMAÇÃO DO MEMORIAL DO JUDICIÁRIO NA FEIRA DO LIVRO – Ontem – 16/11, às 15h, no Auditório Barbosa Lessa do Centro Cultural Erico Verissimo (localizado na Rua dos Andradas, 1223, 4° andar) – painel “Fake News e o comportamento digital.” Participaram a Juíza de Direito Márcia Kern e Leonardo Zanatta, Advogado especializado em Direito Digital.

Lançamento: “O caranguejo”, ocorrido no dia 15 de novembro, 16:30. Livro de Liniane H. Brum, filha do nosso querido Lino Brum. Da Editora Patuá. Vale a pena conferir.

Dulce Helfer e Joel Lopes

Ana Carolina, Leonardo Melgarejo e esposa e Renato Barcelos

Maria Lúcia Pereira de Sampaio, filha do cartunista Sampaio, Ana Carolina e Ayres Cerutti. O livro ‘Ria por favor’ reúne cartuns de Santigo, e esteve sendo distribuído gratuitamente na BANCA DA ARI NA FEIRA. Segundo o Jornalista Glei Soares, autor dessas fotos e responsável pela Banca da ARI/2018, “Estão no livro, os cartuns de Sampaio publicados na Revista do Globo entre 1947 e 1955. São cenas de multidão onde, 40 anos antes de “Onde está Wally”, os leitores tinham que encontrar um homenzinho fazendo xixi (de costas, naturalmente). Sampaio era o irmão mais velho do também chargista SamPaulo.

Lançamento: Agricultura familiar, desenvolvimento e participação social – ações coletivas horizontalizadas 18 de novembro, 14:30, No C.Comércio.

Livro Agricultura familiar, desenvolvimento e participação social – ações coletivas horizontalizadas – Marilise Oliveira Mesquita (Org)

Ayres Cerutti – sempre – o meu Guia na Feira.

Para encerrar, então, chamo o site oficial da Feira do Livro – Clique aqui – com suas maravilhosas fotos de registro de tudo e de todas!

A patrona,, sua neta e o presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro, Isatir Bottin Filho, puxaram o cortejo, com algumas paradas para a patrona descansar. Enquanto a praça ia sendo melancolicamente desocupada e os livreiros iam desmontando as barracas, eles receberam as tradicionais rosas vermelhas dos seguidores do cortejo. Um ato de gratidão por manter os livros sempre livres de opinião e criatividade para os porto-alegrenses. (…) Texto: Thaís Seganfredo

Fotos: Diego Lopes e Pedro Heinrich

 

Manejo inadequado de roçadeiras à gasolina pode matar árvores de fome – por Darci Bergmman.

Depoimento do Eng. Agrônomo Darci Bergmman de São Borja/RS, sobre os danos causados pelo manejo inadequado de Roçadeiras à gasolina, que pode matar árvores de fome. Fragmento do depoimento de Darci Bergmann gravado em Porto Alegre/RS – 28.04.2018, disponível em: https://youtu.be/rX-LweS8RRw  com o título de Documentário: Darci Bergmann – Vida, Pensamentos e Lutas.

CRÉDITOS

Imagens e Edição: Ana Carolina Martins da Silva

Foto de árvore com anelamento: Paulo Cardim do blog: Árvores de São Paulo. Clique aqui para ver mais.

Trilha: Biblioteca de Audio Virtual do youtube – mídia livre: Temptation de Chris Haugen Reedição: 18.11.2018 – ACMS -POA – RS.