Ana Carolina Martins da Silva. Educadora. Ambientalista. Poetisa. Ativista Social. Bonequeira.

Arquivo para a categoria ‘Literatura’

‘Significado do Protesto Negro’, de Florestan Fernandes, lançamento em SP

A Fundação Perseu Abramo (FPA) e a Editora Expressão Popular realizam o debate de lançamento do livro “Significado do Protesto Negro”, de Florestan Fernandes. A atividade acontece no dia 26 de junho, às 18h30, na Livraria Expressão Popular – Rua Abolição, 201, Bela Vista, São Paulo (capital).

Participam do debate Flávio Jorge Rodrigues da Silva, membro do Conselho Curador da FPA e da Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), e co-fundador da Soweto – Organização Negra; o jornalista Florestan Fernandes Jr.; Maria José Menezes, do Núcleo de Consciência Negra da USP; e Weber Lopes, doutorando na Universidade Federal do ABC (UFABC).

Florestan Fernandes vive!

 

21 de junho – Aniversário do Machado de Assis

Qual Machado de Assis?

Este.

MACHADO DE ASSIS –

 

Poe-meu: Poema de amor da costureira

Poema de amor da costureira

Linhas, agulhas, sol.
Tecendo, riscando, dando nó.
Tua palavra é o bordadinho
no canto do lençol.

Pesponto. Carretel.

Da janela um fiozinho

De horizonte azul.

Vai o trem de metal no pano,

Perfumado de novidade.

Teu sorriso, minha luz,

Minha claridade!

Ana Carolina Martins da Silva

Costura e Costureira

Maravilhoso CELSO SISTO – 26/05/2017 – NA UERGS – CAMPUS CENTRAL

Celso Sisto: Professor no Labirinto de Papel; Escritor; Ilustrador; Professor de Literatura (Instituto Cylleno, PUCRS,
FACCAT, dentre outros), Doutor em Teoria da Literatura (PUCRS); Contador de Histórias (com formação no Instituto Storyteller, cuentero, raui & escritor); atualmente cursa Bacharelado em Artes Visuais na UFRGS; premiado inúmeras vezes por seu talento, é oficineiro de arte – estará no Campus Central: dia 26/5/2017 às 14h.

NO LOCAL – VENDA DE LIVROS DO AUTOR!!

Confiram!

 

 

Audiência Pública nº 10/2016: Campus Central da Uergs em pauta.

Audiência Pública – Pauta: Tratar de assuntos relativos à solicitação da área da UERGS, Campus Central da unidade Porto Alegre, bem como a situação da área da Reitoria da UERGS.

Em 16.05.2017 – na  Sala João Neves da Fontoura Plenarinho, 3º Andar – O Requerimento de Audiência Pública nº 10/2016, do Deputado Juliano Roso, foi aprovado na Reunião Ordinária do dia 05 de abril 2016, junto à Comissão de Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa do RS.

Clique aqui, acesse o site oficial da Uergs e saiba mais.

Estiveram presentes: Representantes da Casa Civil; da Secretaria da Educação; da Reitoria da UERGS; da Secretaria do Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia; da CEEE; da Prefeitura de Porto Alegre; da Câmara de Vereadores de Porto Alegre; da UNE; da UEE/Livre; do DCE da UERGS; professores e servidores da instituição; Associação de Professores e comunidade em geral.

Rubem Alves e suas pérolas: O que é a Felicidade?

Hoje vou poder almoçar com meu pai e minha mãe na casa de minha irmã. Será que isto responde, Rubem Alves?

Entrevista com Valerie Tejeda por Rafaela Haygertt

A Caçadora de representatividade em Hollywood

Por Rafaela Haygertt

Valerie Tejeda – escritora

Na hora de contar uma história os autores criam personagens a partir de suas vivências. Para isto,  os escritores utilizam as características humanas que mais conhecem.  Este pode ser um dos motivos pelos quais para muitos leitores ainda é difícil se encontrar nas páginas dos livros que amam. A escritora e jornalista Valerie Tejeda sabe bem disso. Sendo latina e descendente de marroquinos nos Estados Unidos, a procura de um personagem que a representasse podia ser bem complicada. Hoje, sendo uma escritura reconhecida, ela criou uma personagem que não só a representa, como a outras milhares de meninas latinas nos Estados Unidos. Hollywood Whtich Hunter apresenta Iris, uma caçadora de bruxas descendente de uma família latina, com uma personalidade única e forte. Hoje os livros de Tejeda são Best seller e a jornalista do Huffington Post aproveita para defender cada vez mais a representação cultural na literatura infantojuvenil.

Rafaela Haygertt: Como seu amor pela literatura surgiu?  O que fez com que você se conectasse com os livros que lia?

Valerie Tejeda: Desde pequena sempre amei me perder em uma boa história.  Dessa maneira, sempre soube, desde muito nova, que eu mesma queria criar histórias. Acredito que me conectei a literatura porque sempre amei a ideia de escapar para outro mundo. Não há nada melhor na minha opinião!

RH: No seu trabalho, fica clara a preocupação com a representação cultural, especialmente no que concerne a comunidade latina.  Pode me dizer por que acredita que esta representação Cultural é tão importante?

 VT: Bem, eu nasci e cresci na Califórnia e a família do meu pai é Judaico-mexicana, e a família da minha mãe é espanhol-marroquina. Quando criança, nunca me vi representada nos livros e isso me afetou muito, para ser honesta. Para mim, a representação em livros é extremamente importante porque faz você se sentir valioso. Eu nunca tive isso quando criança, por isso é importante para mim ter certeza de que os leitores de hoje cheguem a se encontrar em histórias.

RH: Em um período como este, com um político como Trump no poder, qual a importância da representação cultural na literatura?

VT: Acho que a representação cultural na literatura é mais importante do que nunca neste momento. Há muita negatividade lá fora visando às comunidades marginalizadas. E quanto mais adequada a representação cultural dessas comunidades marginalizadas, melhor. Sendo mexicana, e vendo quanto o ódio é dirigido a mexicanos no momento, é doloroso. Isso definitivamente me fez pensar sobre quais projetos eu quero trabalhar para ter certeza de que estou representando as comunidades que realmente precisam de uma voz durante este tempo difícil.

RH: Você acredita que esta identificação com os personagens ajuda a criar novos leitores e espalhar esse amor pela literatura?

VT: Com certeza! Acho que se as pessoas continuam a se ver em livros elas vão ser mais propensas a ler, e por sua vez, eles estarão mais propensas a compartilhar seu amor por livros com os outros.

RH: Você acha que a representação cultural na literatura é suficiente hoje, como muitas pessoas estão reivindicando? Se não, o que pode ser feito para ter mais representação na literatura para jovens?

TH: Não, eu definitivamente não acredito que a representação cultural em livros é o suficiente no momento. Eu acho que é trabalho dos editores procurarem livros com representação cultural adequada. Como autores, tudo o que podemos fazer é escrever nossas histórias, mas cabe aos editores comprar esses projetos para ter um impacto duradouro na literatura de adultos jovens.

RH: Que autores você recomendaria para os adolescentes que estão começando a ler e procuram essa diversidade nos livros?

VT: Tantos vêm à mente, mas desde que estou focada na comunidade latina, vou recomendar um nome de autor latino, Zoriada Cordova. Eu acho que adolescentes de todos os lugares realmente irão adorar seus livros!

O livro Hollywood Witch Hunter ainda não tem data de lançamento nem tradução prevista no Brasil. Para saber mais sobre Valerie Tejeda e sua obra visite o site da autora, o http://www.valerietejeda.com/

Hollywood Witch Hunter – Valerie Tejeda