Ana Carolina Martins da Silva. Educadora. Ambientalista. Poetisa. Bonequeira.

Arquivo para a categoria ‘Mídia e Comunicação’

Marielle – presente!

Vídeo de Ana de Cesaro em homenagem à Marielle Franco volta às telinhas da Rede Globo, enquanto esperamos por justiça! Valeu Evanoe Peixoto.

Saiba mais no Catraca Livre. Clique no título a seguir: Após oito meses, general diz que sabe quem matou Marielle Franco – A vereadora do PSOL e seu motorista, Anderson Gomes, foram assassinados no dia 14 de março de 2018.

 

64ª Feira do Livro de Porto Alegre – Lá vai o trem com o menino…

Abertura – memória boa com as amigas da SEDUC – Maria Marizetti, Marilis Martins Aguiar, Iara Almeida e Lígia.

A presença mais-do-que-sempre-presente de Ayres Cerutti.

Prefeito de Porto Alegre Nelson Marchezan Júnior abre a Feira. Foto: Maria Marizetti

Mais uma Feira do Livro de Porto Alegre, para Porto Alegre; para mim – outro significado… nostalgia…despedida. Não consegui participar de toda, mas os passeios, as visitas ao site e a participação em algumas atividades me colocam sempre na mesma condição de fã! Parabéns, Sônia Zanchetta e – em seu nome – parabéns a todos e a todas da 64 Feira do Livro de POA.

PROGRAMAÇÃO DO MEMORIAL DO JUDICIÁRIO NA FEIRA DO LIVRO – Ontem – 16/11, às 15h, no Auditório Barbosa Lessa do Centro Cultural Erico Verissimo (localizado na Rua dos Andradas, 1223, 4° andar) – painel “Fake News e o comportamento digital.” Participaram a Juíza de Direito Márcia Kern e Leonardo Zanatta, Advogado especializado em Direito Digital.

Lançamento: “O caranguejo”, ocorrido no dia 15 de novembro, 16:30. Livro de Liniane H. Brum, filha do nosso querido Lino Brum. Da Editora Patuá. Vale a pena conferir.

Dulce Helfer e Joel Lopes

Ana Carolina, Leonardo Melgarejo e esposa e Renato Barcelos

Maria Lúcia Pereira de Sampaio, filha do cartunista Sampaio, Ana Carolina e Ayres Cerutti. O livro ‘Ria por favor’ reúne cartuns de Santigo, e esteve sendo distribuído gratuitamente na BANCA DA ARI NA FEIRA. Segundo o Jornalista Glei Soares, autor dessas fotos e responsável pela Banca da ARI/2018, “Estão no livro, os cartuns de Sampaio publicados na Revista do Globo entre 1947 e 1955. São cenas de multidão onde, 40 anos antes de “Onde está Wally”, os leitores tinham que encontrar um homenzinho fazendo xixi (de costas, naturalmente). Sampaio era o irmão mais velho do também chargista SamPaulo.

Lançamento: Agricultura familiar, desenvolvimento e participação social – ações coletivas horizontalizadas 18 de novembro, 14:30, No C.Comércio.

Livro Agricultura familiar, desenvolvimento e participação social – ações coletivas horizontalizadas – Marilise Oliveira Mesquita (Org)

Ayres Cerutti – sempre – o meu Guia na Feira.

Para encerrar, então, chamo o site oficial da Feira do Livro – Clique aqui – com suas maravilhosas fotos de registro de tudo e de todas!

A patrona,, sua neta e o presidente da Câmara Rio-Grandense do Livro, Isatir Bottin Filho, puxaram o cortejo, com algumas paradas para a patrona descansar. Enquanto a praça ia sendo melancolicamente desocupada e os livreiros iam desmontando as barracas, eles receberam as tradicionais rosas vermelhas dos seguidores do cortejo. Um ato de gratidão por manter os livros sempre livres de opinião e criatividade para os porto-alegrenses. (…) Texto: Thaís Seganfredo

Fotos: Diego Lopes e Pedro Heinrich

 

Ler é o melhor remédio!

Memória de uma – das inúmeras tardes – na Livraria Saraiva do Shopping Praia de Belas. Anelise de Cesaro brincando de fotógrafa e eu – de modelo.

 

Anelise de Cesaro – a Fotógrafa.

 

 

 

 

Ayres Cerutti e o “Colorindo Porto Alegre” para crianças

Ayres Cerutti – jornalista e Editor – faz a Divulgação do Projeto “Colorindo Porto Alegre” – publicação para crianças (para colorir).

Fotografia e dados sobre JUSKA – clique aqui para conhecê-los no site da TOMO Editorial.


Trilha Sonora: Say What de Dan Lebowitz (Mídia Livre da Biblioteca de Audio do Youtube)
Imagens e Edição: Ana Carolina Martins da Silva. Gravado em Porto Alegre – RS.

Mais sobre a Revista Programa, clique aqui.

.

“La Poderosa” e seu ronco de motor!

Clique aqui para conhecer La Poderosa

Criado há 14 anos, na zona sul de Buenos Aires, o La Poderosa integra noções de educação popular, cooperativismo e comunicação. Hoje, além de estar presente em todas as províncias da Argentina, o movimento também conseguiu ter ao menos um representante em todos os países da América Latina. No Brasil, estão presentes em uma favela na Bahia e querem começar em Porto Alegre, onde já tem uma representante. Clique aqui no Sul21 para saber mais.

Clique aqui para ver mais vídeos de Barricada TV. Estive (estou) acompanhando dentro de minhas possibilidades o 2º Fórum Latino-Americano da La Poderosa. Impressionante ver os Movimentos Sociais discutindo a si próprios sem mediação ou pressão de partidos políticos, ou de forças de qualquer tipo de coersão. Minha sensação é de – afinal – ter encontrado um espaço livre: a grande pátria.Creada hace 14 años, en la zona sur de Buenos Aires, La Poderosa integra nociones de educación popular, cooperativismo y comunicación. Hoy, además de estar presente en todas las provincias de Argentina, el movimiento también logró tener al menos un representante en todos los países de América Latina. En Brasil, están presentes en una favela en Bahía y quieren comenzar en Porto Alegre, donde ya tiene una representante. Haga clic aquí para saber más.Estuve (estoy) acompañando dentro de mis posibilidades el 2º Foro Latinoamericano de La Poderosa. Impresionante ver los Movimientos Sociales discutiéndose a sí mismos sin mediación o presión de partidos políticos, o de fuerzas de cualquier tipo de cohesión. Mi sensación es de – haber encontrado un espacio libre: la gran patria.

Clique em Mídia Ninja para saber Mais e Mais.

Clique em La Tinta para saber Mais e Mais.

Clique em Pressenza para saber Mais e Mais.

Clique em La Garganta para saber Mais e Mais.

Amigos da Terra Brasil e GM – nem tudo “está dominado”.

Em reportagem do Sul21, a presença da Voz dos ambientalistas via Amigos da Terra Brasil.

A organização Amigos da Terra Brasil protocolou, quinta-feira (7), uma interpelação judicial motivada pelo comercial da Picape Chevrolet S10 2018 da General Motors do Brasil, e denunciou o mesmo ao Conselho Nacional de Autorregulamentação Publicitária (Conar). O comercial em questão faz apologia ao agronegócio, afirmando que esse setor continuará a fazer o que sempre fez, apesar das críticas que recebe.

Segundo os autores da interpelação, o comercial afirma a ideia de que as críticas dos ambientalistas ao agronegócio seriam indevidas e que, assim, não cumpririam um papel relevante ao país. Logo no início da propaganda aparece o protagonista lendo uma matéria em seu celular que diz “Agronegócio e desmatamento”, que simbolizaria as referidas críticas dirigidas a este setor empresarial.  A Amigos da Terra observa que diversos estudos comprovam malefícios que práticas do agronegócio, como o uso intensivo de agrotóxicos, causam à saúde das pessoas e ao meio ambiente. Clique aqui para ler a reportagem completa.

O assunto já começa a repercutir, como no site: ESPAÇO VITAL INDEPENDENTE. Clique aqui para conferir. O site da APEDEMA-RS também veiculou reportagem, clique aqui.

Conheça mais sobre o assunto, assistindo o vídeo do Coletivo Catarse:

 

Memórias – Vídeo da APL – Academia Passo-Fundense de Letras

Reorganizando a casa (e a vida), fui encontrando muitas memórias. Uma delas, muito querida, é do tempo que fui IMORTAL – membro da Academia Passo-Fundense de Letras, de Passo Fundo, RS. Para matar a saudade, postei no meu canal do Youtube uma entrevista feita pelo confrade Gilberto Cunha e pelo confrade Paulo Monteiro – comigo – no Programa “Literatura Local”, mantido pela APL em parceria com a TV Câmara. Programa do qual fui âncora, juntamente com outros escritores da Academia por muitas vezes. Em breve, estarei publicando mais alguns programas. Confira esse, de 13/09/2006 !

APL: Fomento à leitura e à reflexão. Palestras, encontros na Biblioteca Municipal, lançamentos de livros, projetos com as escolas e a maior porta do Estado!

Segundo informações de Lech (cadeira 39) e Monteiro (cadeira 32), disponibilizadas na página da APL, no facebook:

O prédio da Academia Passo-Fundense de Letras
O centenário prédio da Academia Passo-Fundense de Letras, situado na Avenida Brasil, 792, em estilo arquitetônico neoclássico, foi construído em 1912, sob auspícios do Clube Pinheiro Machado, entidade social que congregava os adeptos do Partido Republicano Rio-Grandense (PRR).
Entre 1929 e 1932 serviu para a formação de professoras, com a instalação da Escola Complementar, raízes da atual Escola Estadual de Ensino Médio Nicolau de Araújo Vergueiro.
Após abrigar algumas repartições públicas, passou a sediar o Grêmio Passo-Fundense de Letras, fundado no dia 7 de abril de 1938, depois transformado em Academia Passo-Fundense de Letras (APL), a 7 de abril de 1961. A Biblioteca Pública de Passo Fundo funcionou nesse mesmo endereço até 1973, quando então foi transferida para o prédio da Rua Moron, onde se localiza atualmente.

Após algumas reformas para a manutenção do prédio, que não foram suficientes, este precisou ser abandonado, ficando, por mais de uma década, com a sua fachada sustentada por estacas e escondida por tapumes para proteger os transeuntes. Nesse período os acadêmicos passaram a reunir-se em diferentes lugares: Escola Notre Dame, auditório do Fórum, sala alugada no Campus Central da Universidade de Passo Fundo, etc…
Após a cogitação da sua demolição em 1985, que impactou a comunidade passo-fundense preocupada com a proteção do patrimônio histórico da cidade, concluiu-se que apenas a fachada do prédio apresentava condições de preservação. Em 1988, a reforma do prédio foi prevista no orçamento da Prefeitura de Passo Fundo. No entanto, em 1990, mais uma vez, a possibilidade de demolição foi aventada e gerou inúmeros protestos.
Foi então que o prefeito Airton Lângaro Dipp, filho de Daniel Dipp, um dos fundadores do Grêmio Passo-Fundense de Letras, tomou a iniciativa do tombamento do edifício sede da APL, que o elevou à categoria de Patrimônio Histórico Municipal.
A partir daí a reconstrução do prédio saiu do papel, tendo sido, a primeira etapa, finalizada em 2002, quando então os acadêmicos voltarem a se reunir em seu próprio sodalício.
Apesar de alguns problemas físicos ainda existirem no novo prédio, que manteve a belíssima e histórica fachada que ostenta a porta mais alta do Rio Grande do Sul, ele é motivo de orgulho para todos os passo-fundenses, que o têm como um dos “cartões postais” da cidade.
A biblioteca histórica da APL, embora modesta, conta com importantes obras clássicas e centenas de obras produzidas pelos mais de cento e oitenta acadêmicos que fizeram e fazem parte da rica história da instituição.
O auditório da instituição das letras locais, recentemente mobiliado com 150 confortáveis cadeiras compradas com recursos dos acadêmicos e doações dos “amigos da APL,” tem estado aberto à comunidade passo-fundense e, cada vez mais, tem sido palco de importantes debates. Para citar um deles, destaca-se “I Fórum de Proteção ao Patrimônio Histórico”, realizado em conjunto com as faculdades de arquitetura da Universidade de Passo Fundo (UPF) e da IMED, que reuniu quase duas centenas de profissionais e estudantes preocupados com a manutenção da história do município de Passo Fundo.
A galeria dos presidentes, que exibe as fotografias de todos os trinta e quatro presidentes que dirigiram a APL ao longo dos seus 75 anos de história, funciona como espaço para a recepção de convidados após os eventos realizados no auditório e para as reuniões semanais dos acadêmicos, que ocorrem sempre aos sábados pela manhã.
A história deste lindo prédio confunde-se com praticamente a metade da história do município de Passo Fundo, não havendo quem não se encante com a sua beleza arquitetônica ou duvide do seu valor como patrimônio histórico da cidade.

Marilise Brockstedt Lech (cadeira 39) e Paulo Monteiro (cadeira 32) — em Academia Passo-Fundense de Letras.

Posto isso, retomo minha memória pessoal – a posse- Passo Fundo, setembro de 2001, para a Cadeira de Ernani Guaragna Fornari, poeta, novelista, romancista e teatrólogo gaúcho nascido em 1899 e falecido em 1964 (ano de meu nascimento).

Acadêmicos da APL

Dentre os convidados, meu pai: Ivonie Marques da Silva; minha mãe, Iracema Martins da Silve e na segunda fileira, primeira cadeira, o saudoso Luis Carlos De Cesaro (o Gringo), cunhado, amigo e socialista.

Outra memória boa é da “Semana das Letras Passo-Fundenses” – que continua ocorrendo todos os anos. As fotos abaixo são registros da participação dos Acadêmicos na Feira do Livro de Passo Fundo (2001).

Nesse ano, também, produzido pela Editora Grafite, de Bento Gonçalves (do Ademir Bacca), com o apoio da FUNVALE (via Luiz Antônio Piccoli), tive publicado o livro “Piedade: Ponte ou Muralha?”