Ana Carolina Martins da Silva. Educadora. Ambientalista. Poetisa. Ativista Social. Bonequeira.

Arquivo para a categoria ‘UniRitter’

#10 páginas por dia

Tempos de conclusão de Tese. Meta: 10 páginas por dia. Parece pouco, mas quando me vejo diante da grandiosidade do ato de construir um texto científico, percebo que – em alguns momentos – leio três livros e passo cinco dias para escrever um parágrafo.

10 páginas por dia é MUITA COISA!

Clique aqui e conheça as 22 dicas de Stephen King para escritores e para a vida!

Deus nos proteja!

Anúncios

Post sincerão – como diz a Ana De Cesaro

Meus queridos – poucos – mas sinceros seguidores. Estive por ali salvando o mundo e fiquei meio sem tempo para postagens. Como sabem, nada anda fácil em termos de salvação hoje em dia. Tentei salvar o meu mundo (estudando – apoiando minha família – pais e filhas), salvar o mundo Terra (ajudando na articulação da APEDEMA-RS) e o mundo espiritual (indo na minha catedral Metodista). Enfim, muita coisa acontecendo – desnecessário dizer – é só olhar em volta – todos os mundos estão interligados e está tudo muito complicado.

Confirmação de votos Catedral Metodista

Sala de Estudos Doutorado em Letras – UniRitter

Eleição RP1 CMDUA – POA

Assembleia Geral APEDEMARS 24.3.2018

Fórum ULBRA

Fórum Ulbra II

Cuidando e sendo cuidada – papai e mamãe

Vivendo meu tempo. Escorando os meus – na hora da “percisão”.

Então, mando beijos para todos e todas e continuemos!!

 

Agradecimentos e desejos de boas festas

Prezados colegas e alunos da Uergs, comunidade universitária em geral, olá!

Encerrei agora as minhas 08 disciplinas do semestre 2017 II, (ainda faltando a da Pós-Graduação – que será fechada em breve); Também, recebi a confirmação de minhas aprovações nas disciplinas que cursei durante esse ano – no Doutorado em Letras (UCS/UniRitter) – 2 no Sem I e 3 no Sem II (foram 4 conceitos “A” e uma está para fechar em meados de Janeiro);

Turma do Doutorado (Ucs/UniRitter) e Mestrado em Letras com profa. Maria Alzira Leite

Também, orientei trabalhos no VII SIEPEX e fui banca. Organizei evento em Osório e participei da I Semana de Letras/ADM com posteres com meus alunos de Letras. Tive a honra de participar da I Semana Acadêmica da Automação e da Engenharia com oficina. Fui Banca de TCCs de ADM e de Pedagogia, participei de passeatas;

BANCAS DE TCCS – ADMINISTRAÇÃO – UERGS / POA

Banca de Naima Porto: 

Os Marcos-legais da Inclusão da Pessoa com Deficiência no Brasil: Um resgate histórico da inclusão no contexto brasileiro. Administração (Gestão Pública). Com Prof. Celmar Oliveira e profa. Magali Menti.
Banca de Sabrina Aguirre: A candidatura de mulheres para os cargos legislativos no Rio Grande do Sul. Administração (Gestão Pública). com Profa. Caroline Duschitz  e profa. Magali Menti.
BANCAS DE TCCS – PEDAGOGIA – UERGS -LITORAL NORTE – OSÓRIO:
Banca de Eliseu Zebmbruzki Batista: “Osentido do corpo – identidade e cultura: por uma abordagem de educação interdisciplinar e transdisciplinar. ” Pedagogia – 13.12.2017;
Banca de Ronaldo Rodrigues Krumberg: “Processos criativos, criatividadee expressão na arte: um estudo de caso numa escola de educação infantil no Litoral Norte/RS – Pedagogia – 13.12.2017 – De presente – o livro de Ana Maria De Cesaro;
Banca deAugusto Dutra, discutindo a questão de Gênero dos professores e professoras na Educação Infantil. Valter Freitas, profa. Valquíra Parode e profa. Maria Cristina (IF-Osório) — emUergs Unidade Litoral Norte- Osório.
Ainda, estou atuando no Movimento Ecológico Gaúcho novamente, com mais responsabilidade agora. Em paralelo, resolvi muitas questões da família, de afetos e financeiras. Foi um ano repleto de ações de muitas responsabilidades (e que ainda não acabou), além de “otras cositas más”, que estão no meu blog.

Ana mãe, Ana e Ane De Cesaro

Nada que seja novidade para vocês, que passaram por situações talvez análogas às minhas e, quem sabe, de maior responsabilidade, ou apreensão.
Porém, somos todos um pouco egoístas. Nosso problema é sempre maior do que os dos outros, assim como nossa vitória. Faz parte de nossa incompletude humana. Por isso, em alguns momentos, cheguei a me esquecer como se fazia para rir – ou chorar. Muitas vezes pensei – se eu chorasse – talvez passasse essa dor, mas o choro não vinha, porque o cansaço era tanto – que não havia forças para chorar.
Os tempos que se avizinham não serão fáceis. Devem estar acompanhando o que aconteceu na UniRitter (assim como na PUC, em julho, e. na Estácio, um pouquinho atrás). Fomos todos surpreendidos com o afã do capital em potencializar seu ganho e minimizar suas perdas. No entremeio desse processo, muitas vidas envolvidas, de docentes e de discentes e – mais – de uma área inteira, como a de Letras, afetadas diretamente. Os dados ainda estão rolando por lá, graças aos nossos companheiros do SINPRO, mas o futuro é incerto. Estou acompanhando a situação do Meio Ambiente e dos direitos humanos, nada parece mais estável e as leis, pelas quais tanto lutamos, estão se diluindo no ar.
Eu aprendi, que, quando se tem coisas fáceis e difíceis para se fazer, deve-se começar pelas difíceis. As fáceis ficam para os tempos mais doces. É nesse sentido, que quero agradecer a presença de todos vocês em minha vida nesse ano. Cada um, com o seu jeito de ser, me levou a resolver primeiro as coisas mais difíceis, estando junto na hora das coisas fáceis também. O que dizer sobre isso? Muito obrigada.
Estarei, em 2018, em um ano sabático. Jamais esquecerei o apoio que tive de todos e de todas! Voltarei fortalecida e com o a responsabilidade de devolver à Uergs, todo o apoio que me deu.
Um feliz Natal para todos e todas. Um ano novo repleto de saúde, paz e bençãos!
Bjs

Papai Noel do Shopping da Rua da Praia

Hotel Atlântico de J.G. Noll e Jessica Falconi: quando traduzir é traduzir-se.

O Programa de Doutorado em Letras (PDLet UCS/UniRitter) recebeu na sexta-feira, dia 31/03/2017, no turno da manhã, a tradutora italiana Jessica Falconi. A pesquisadora é uma, dentre os tradutores estrangeiros de literatura brasileira selecionados como bolsistas do Programa de Residência 2016 da Fundação Biblioteca Nacional. Falconi, que tem trajetória acadêmica na área da Tradução, Língua Portuguesa e Literatura, exerceu a docência na Universidade de Nápoles “L’Orientale”, onde também alcançou o título de Doutora em Estudos Ibéricos, veio ao Brasil para traduzir para o italiano a obra “Hotel Atlântico”, de João Gilberto Noll.

Na abertura, depois das saudações, a profa. Rejane Pivetta, Coordenadora do Programa de Doutorado em Letras (PDLet UCS/UniRitter), campus UniRitter, salientou a importância do entendimento sobre este tipo de olhar sobre os textos – a tradução; sobre a importância do escritor Noll e sobre o privilégio que o Programa estava tendo em receber a Pesquisadora Falconi neste momento.

Profa. Rejane Pivetta UniRitter

A Coordenadora presentou um breve trecho de vídeo, onde o autor fala sobre si e sua obra. No youtube, há inúmeros vídeos com registros sobre este autor. Separei o seguinte:

Em Porto Alegre, a tradutora italiana tinha um encontro marcado: o primeiro – com Noll. Por uma pressa desnecessária do destino, este autor premiado e de destaque da nossa literatura sul-rio-grandense e nacional, faleceu no dia anterior à sua chegada à capital. Ainda abalada pela perda, Falconi permaneceu em Porto Alegre para conhecer os lugares dos quais Noll lhe falava: Praça da Alfândega, Mercado Público, espaços que, segundo ele, eram o seu repositório de histórias e de personagens. “Foi uma emoção muito grande chegar na Praça da Alfândega e pensar que ele não estaria ali”, disse Jéssica, no encontro com os mestrandos e doutorandos do Programa de Pós-Graduação da UniRitter.

Capas Hotel Atlântico João Gilberto Noll

Para além de seus sentimentos, ela fez algumas considerações sobre Tradução. Traçou um paralelo sobre diferentes tipos e diferentes correntes, dentre as quais, destacou a que se ocupa de aspectos culturalistas das obras, na qual a necessidade de negociação de sentidos, elimina um pouco a necessidade da equivalência estreita de palavra por palavra. Este tipo de tradução supera a ideia de que o texto original é “sagrado” e que o tradutor precisa passar por ele, de forma invisível Ao contrário, este coloca o tradutor numa espécie de co-autoria, fazendo novamente uma seleção de palavras que transponham, para outra realidade cultural, não a mesma coisa, mas o mesmo espírito cultural, a mesma “vibe”, como se diz atualmente. Ressaltou que, antes deste modo de traduzir, havia uma espécie de “domesticação”, pois o tradutor pegava o conteúdo alheio e o tornava aceitável em outra língua.  “A tradução não traduz palavras, mas sim o texto. O equilíbrio que o autor cria no texto. É uma espécie de interpretação.” Disse Jéssica. Traduzir, neste caso, não seria trair – famosa concepção de tradução. Traduzir seria traduzir-se. Conclusão minha, disto tudo.

Na continuidade de suas falas, apresentou João Gilberto Noll, situou sua obra na Literatura brasileira dos anos 80. Comentou o estranhamento sobre o fato de, apesar de ser um autor extremamente premiado, um representante de nossos tempos líquidos e flutuantes, não era de conhecimento do grande público. Separou algumas das traduções já efetuadas, de páginas do Hotel Atlântico, e foi explicando suas escolhas e a construção da tradução.

Mais sobre o autor, clique aqui.

Foi um momento extremamente rico, e densamente emocionante. Seguido de observações dos presentes, ora sobre tradução; ora sobre Noll; ora sobre a complexidade e a finitude da vida humana. Profa. Dinorá Fraga, docente da Cadeira: “Cultura digital e práticas de Leitura”, do doutorado de Letras, comentou sobre sua amizade com o autor, a sua timidez, a sua qualidade como pessoa e como amigo. Mostrou-se muito tocada com sua partida e julgou fundamental para nós, pos-graduandos, estarmos em contato com a sua obra e com a presença da sua tradutora para o italiano.

Profa. Dinora Fraga UniRitter

Jessica Falconi nasceu em Nápoles, em 1977 e, além de João Gilberto Noll, traduziu outros autores, tais como: Lima Barreto, Franklin Távora, Manuel Antônio de Almeida, Milton Santos, Irene Lisboa, Raúl Brandão. Clique aqui para saber mais.

O Programa de Doutorado em Letras (PDLet UCS/UniRitter) é oferecido na modalidade de Associação Ampla, entre UniRitter e UCS, que trabalham de forma articulada na promoção e aprimoramento das atividades de pesquisa, ensino e extensão vinculadas à sua área.