Ana Carolina Martins da Silva. Educadora. Ambientalista. Poetisa. Bonequeira.

Posts marcados ‘Greenpeace’

Dia Mundial dos Corais da Amazônia! Diz o Greenpeace.

Histórias do Greenpeace:

Este 28 de janeiro é celebrado como o Dia Mundial dos Corais da Amazônia, data em que o mundo conheceu as primeiras imagens deste ecossistema recifal único

Há dois anos, usamos um mini submarino em nossa primeira expedição à bacia da foz do Rio Amazonas, a mais de 100 km da costa do Amapá e mais de 100 metros de profundidade, para registrar uma grande diversidade de vidas, cores e texturas que encantou os cientistas e o mundo. A humanidade se deparava com um novo cantinho do planeta até então desconhecido.

Por dois anos, promovemos uma intensa mobilização em defesa do recife dos Corais da Amazônia, no qual mais de 2 milhões de pessoas ao redor do mundo assinaram uma petição se declarando contra a exploração de petróleo na região, que ameaçava esse tesouro natural que só existe ali. A vitória veio no final do ano passado, com a rejeição definitiva pelo Ibama da licença ambiental que autorizaria a exploração para a petrolífera Total.

Este é um importante alerta e exemplo sobre a importância de se respeitar o processo de licenciamento ambiental. Os técnicos do Ibama avaliaram o Estudo de Impacto Ambiental da empresa por cinco vezes e constataram que ela não tinha um plano de emergência adequado para lidar com um derramamento de petróleo. Se isso acontecesse, poderíamos ter outro grande impacto ambiental como vimos agora com o rompimento da barragem em Brumadinho (MG).

É bom lembrar, além da riqueza dos próprios Corais da Amazônia, na costa do Amapá  está uma das maiores faixas de manguezais do mundo, sendo um berçário e área de alimentação sensível para diversas espécies de peixes, crustáceos, aves e mamíferos. Além disso, diversas comunidades de pescadores dependem dos mares limpos e saudáveis para se manter. Uma operação petrolífera teria fortes perturbações aos animais e, com as fortes correntezas que são comuns nestas águas, um vazamento de óleo causado por qualquer motivo poderia se espalhar rapidamente, chegando mesmo até o Caribe. Levaria anos para que tudo fosse limpo. Clique aqui para saber mais!

 

 

Acesse o GREENPEACE e sabia mais sobre o Protesto contra hidrelétricas no Tapajós

Protesto contra hidrelétricas no Tapajós marca o Dia Internacional das Florestas

Notícia – 21 – mar – 2016
Com apoio do Greenpeace, lideranças do povo indígena Munduruku vão a local sagrado para protestar contra a construção de usinas no rio Tapajós. Clique aqui e saiba mais sobre isto.
Conheça o trabalho no Greenpeace em seu site e assine a Petição pelo Rio Tapajós.
Petição Deixe o Tapajós viver

17 de Julho – Dia de Proteção das Florestas

O Brasil já perdeu 19% da Amazônia e quase 91% da Mata Atlântica. No dia que celebra a proteção das florestas, há pouco o que comemorar. 

Originalmente nesta data era comemorado o dia do Curupira, um personagem do folclore brasileiro conhecido por pregar peças naqueles que destroem a floresta. Mas, infelizmente, o personagem vive apenas nos contos infantis e a floresta não consegue se defender sozinha. Por isso, é nossa responsabilidade preservar este importante patrimônio do Brasil.

Clique aqui e conheça mais sobre a luta do Greenpeace pelas florestas.

Confira também o site do Ecodebate, que traz uma notícia bem importante:

STF oficia Estados atingidos pela crise hídrica para que ampliem metas de restauração florestal

O Ministro Luiz Fux, do Supremo Tribunal Federal (STF), proferiu, em 11 de junho, decisão que reconhece a relação direta entre a escassez de recursos hídricos com o desmatamento e oficiou os Estados para que estabeleçam metas de restauração florestal para as áreas de preservação permanente, acima das faixas definidas no novo Código Florestal. A decisão do Ministro acolheu argumento encaminhado pela Frente Parlamentar Ambientalista, da Câmara dos Deputados, coordenada pelo deputado Sarney Filho (PV-MA).

A decisão  do ministro Luiz Fux, relator da ação civil (2536) movida pelo Ministério Público Federal (MPF) que apura responsabilidades decorrentes da crise hídrica, determina o prazo de dez dias para que os governadores dos Estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo, atingidos pela crise hídrica, apresentem diretrizes de recuperação ou conservação da vegetação nativa nas margens de rios, nascentes e reservatórios, acima do que está estabelecido no novo Código Florestal.

Com a decisão, os Estados envolvidos deverão firmar metas para cumprir o que está instituído no artigo 61-A, parágrafo 17, do novo Código Florestal (Lei 12.651/12), que estabelece que em bacias hidrográficas críticas, como é o caso do Sistema Cantareira, o Chefe do Poder Executivo poderá, em ato próprio, estabelecer metas e diretrizes de recuperação ou conservação da vegetação nativa superiores as definidas na lei florestal.

Clique aqui e leia a reportagem completa.

 

 

 

Participe da luta pela Liberdade de Ana Paula

Clique no Poster no alto, à direita do blog e assine o abaixo assinado pela libertação dos ativistas do Greenpeace. Eu já o fiz. Segue o texto disponibilizado pelo Greenpeace e a resposta que recebi da Embaixada Russa.

Libertem nossos Ativistas

Vossa excelência presidente Dilma Rousseff,

Vossa excelência embaixador Sergey Pogóssovitch Akopov,

 Cordas e banners. Essas eram as “armas” em posse de dois ativistas do Greenpeace que, no dia 18 de setembro, escalaram uma plataforma de petróleo da empresa Gazprom, no mar de Pechora – extremo norte do planeta. O objetivo? Alertar o mundo sobre os riscos da exploração de óleo no Ártico, um dos ecossistemas mais belos e frágeis do planeta, já ameaçado pelos efeitos do aquecimento global.

 Um protesto pacífico, como todos os que o Greenpeace realiza ao redor do mundo em proteção ao meio ambiente. Mas que desencadeou uma reação desproporcional das autoridades russas. No dia 19 de setembro, a guarda costeira do país subiu a bordo do navio Arctic Sunrise, que navegava em águas internacionais, e prendeu toda sua tripulação.

 Entre eles estava a bióloga brasileira Ana Paula Maciel, mais 27 ativistas do Greenpeace Internacional e dois jornalistas. Esse grupo de pessoas foi levado à cidade de Murmansk, noroeste da Rússia, e acusados pela promotoria do país de pirataria.

Essa absurda acusação não pode ser aplicada a atos pacíficos, como o realizado pelo Greenpeace Internacional. O que moveu esse grupo foi a indignação pelos rumos do planeta e por atividades econômicas que colocam em risco a própria sobrevivência da espécie.

A gaúcha Ana Paula tem apenas 31 anos. Abdicou de uma vida de confortos, acostumou-se à distância da família e, desde 2006, vive em embarcações do Greenpeace mares afora. Tudo isso porque Ana Paula acredita que pode fazer a diferença por um planeta melhor. O idealismo de Ana Paula deveria inspirar pessoas de todo o mundo. Mas agora pode lhe render até 15 anos de prisão em um país milhares de quilômetros distante de casa.

Nesse momento, está em jogo o destino de Ana Paula e de outras 29 pessoas presas na Rússia. Mas não apenas. Está em jogo também o nosso direito, como cidadãos comuns, de mostrarmos nosso desacordo com os rumos do planeta.

Acredito que a intervenção de Vossa Excelência junto às autoridades russas seja fundamental para garantir a liberdade da brasileira Ana Paula e de todo o grupo acusado injustamente de pirataria. Por isso, escrevo essa carta para pedir sua ajuda.

Todos nós, que temos sonhos e esperanças, poderíamos estar no lugar desses ativistas. Por isso, me sinto na responsabilidade de ajudar a levá-los de volta a casa. Hoje, somos todos Ana Paula.

 Atenciosamente,

Resposta da Embaixada

Clique aqui para ler o texto indicado na mensagem no original.

Ou leia abaixo a tradução feita pelo sistema automático do Google.

O discurso do Presidente da Rússia , Vladimir Putin, na sessão plenária do III Fórum Internacional Ártico O Ártico – Um Território do Diálogo
<…>
Vladimir Putin : Deixe-me dizer algumas palavras a mais , senhoras e senhores.
Gostaria mais uma vez de agradecer aos nossos colegas , os presidentes da Islândia e da Finlândia , e o nosso colega do Canadá, para encontrar tempo em suas agendas lotadas para vir aqui para a Rússia Far North .
O paralelo 66 é realmente uma parte muito do norte de nosso país. Eu já disse que um terço do território da Rússia é dentro do Extremo Norte, e por isso para a Federação Russa , o trabalho no Conselho do Ártico , sobre os problemas do Extremo do Norte , no desenvolvimento da Rota do Mar do Norte e no Ártico , em geral, não é apenas de importância econômica nacional, mas tem uma dimensão humanitária também dado que temos um grande número de povos indígenas que vivem nesta parte do nosso país.
Há grandes interesses concentrados aqui – econômica , política e humanitária , como eu disse . Portanto, é essencial para nós, para unir forças para o trabalho eficaz nesta parte do mundo e em nossa região.
É absolutamente claro agora que o clima está mudando. Todo mundo está falando sobre isso. O que está causando essa mudança não é tão importante agora . O que importa é que ela está acontecendo. Está claro agora que as latitudes do norte pode ser aberto para o transporte por 100 dias ou talvez 150 dias , e que novas regiões estão se abrindo para a atividade econômica.
Claro que, como já dissemos muitas vezes e ouvido também hoje , o Ártico é uma região muito vulnerável em termos de manutenção do equilíbrio ambiental e da necessidade de manter esse equilíbrio, e por isso devemos ter muito cuidado sobre como nós vamos sobre nosso econômica atividade na região.
A este respeito , é importante para nós ouvir as opiniões de especialistas , os nossos vizinhos do Ártico , os membros do Conselho do Árctico e até mesmo países de fora da região que têm interesse na gestão responsável desses territórios .
Nós conversamos sobre proteção dos animais selvagens , a atividade econômica , e proteger os interesses legítimos dos povos indígenas. Eu acho que seria errado para mim passar em silêncio o incidente que teve lugar na nossa plataforma offshore , Prirazlomnaya . Refiro-me à tentativa por membros do Greenpeace a bordo da plataforma.
Todos os meios de comunicação têm falado sobre isso. Mas seria muito melhor se as pessoas do Greenpeace se juntou aqui neste salão e expressaram suas opiniões sobre as questões que estamos discutindo , ou definir as suas reclamações, demandas ou preocupações. Ninguém está tentando escová-los de lado. Nós nos reunimos para estes tipos de eventos , precisamente para discutir todas estas questões .
Eu não sei os detalhes do incidente. Eles são , obviamente, não piratas, mas formalmente , eles fizeram tentativa de embarcar na plataforma. Nossos policiais e guardas de fronteira não sabia que estava usando o nome de Greenpeace para tentar embarcar na plataforma. Isso coincidiu com os eventos que estavam acontecendo no Quênia , então qualquer coisa era possível e não sabíamos exatamente quem eram essas pessoas lá fora. O que está claro é que eles violaram o direito internacional e chegou perigosamente perto da plataforma.
Humanidade através dos tempos sempre usou a natureza para sobreviver , e quanto mais o tempo passava , mais esta foi assim. Na primeira, foi a caça e a coleta , então ele estava usando os recursos minerais , metais , combustíveis fósseis . Podemos parar este processo ? Claro que não podemos pará-lo . Este não é o lugar onde o problema está .
A questão é como fazer uso racional da natureza , de modo a minimizar os danos que fazemos ao meio ambiente ou eliminar este dano completamente. Isso é uma meta realista ? No geral, é provável que seja um grande desafio , mas mesmo assim deve trabalhar nesse sentido e eu acho que nós podemos alcançar o nosso objetivo. Hidrocarbonetos estão sendo produzidos em todo o mundo , incluindo em zonas costeiras e offshore.
Nós todos sabemos que quando fracking é utilizado para produzir gás de xisto das pessoas em cidades vizinhas já não têm água saindo de suas torneiras , mas um líquido escuro que seria difícil chamar água. Isso representa um enorme problema ambiental.
As pessoas sempre encontrar esses tipos de problemas na produção de hidrocarbonetos. Se o trabalho for de alto mar ou em terra, há dois aspectos principais envolvidas . Um deles é o transporte, e, como sabemos , tem sido muitas vezes os acidentes no transporte de petróleo. A outra é a riscos nos locais de produção reais.
Não vou repetir os detalhes. A audiência de hoje, os especialistas , que todos sabem sobre essas tragédias . Vou apenas mencionar alguns deles . Em 1988, eu acho que foi , não foi um terrível desastre em uma plataforma de uma das empresas norte-americanas estava operando no Mar do Norte . O erro de um operador causou um incêndio na plataforma e mais de 160 pessoas foram mortas. Um desastre muito mais recente e puramente ambiental aconteceu quando houve uma explosão de gás no Golfo do México e um enorme volume de petróleo escaparam para a superfície. Isso causou dano ambiental tremendo.
Neste tipo de trabalho – trabalhos subaquáticos estava sendo realizado naquele momento – qualquer coisa pode acontecer. Os operadores podem cometer erros, e a tecnologia podem quebrar, colocando a vida e a saúde das pessoas em risco. Vale a pena correr o risco de consequências tão graves para o bem de realizar PR acrobacias ?
Insisto , portanto, o ponto em que estamos prontos e dispostos a trabalhar com todos os parceiros e com todas as organizações de proteção ambiental. Mas a nossa posição é de que este trabalho precisa ser conduzida de uma forma civilizada. Nós não queremos apenas ouvir , mas ouvir o que cada um de nós tem a dizer , e tomar as medidas necessárias para proteger o meio ambiente.
By the way, na medida em que projetos offshore ir , as empresas russas estão engajados no trabalho offshore em várias regiões , no Extremo Oriente , Mar Cáspio , e agora no Ártico também, e eles nunca tiveram um único incidente grave. Espero que o fato de que todos eles usam a mais recente tecnologia significa que eles nunca vão.
Quanto a continuar nosso trabalho através de iniciativa da Sociedade Geográfica Russa , eu quero te agradecer mais uma vez todos e garanto-vos que continuaremos a prestar a maior atenção a todas as questões relativas ao meio ambiente e proteger a natureza .
Somos muito gratos a você para responder ao nosso chamado para trabalhar em conjunto através da Sociedade Geográfica Russa , especialmente em questões da região do Ártico. Como eu disse no início das minhas observações finais , esta região é muito vulnerável e requer especial atenção dos especialistas e do público.
Concordo com o meu colega da Islândia na esperança de que os líderes de todos os países do Ártico vai participar nesses esforços. Esperamos muito que eles vão dar mais atenção às questões que discutimos neste fórum.
Muito obrigado. Espero que da próxima vez que nos encontrarmos , vamos discutir questões tão actuais como os que discutimos hoje.
Obrigado.
25 de setembro de 2013 , 00:30 Salekhard

Tradução Discurso Putin